Guitarra

Instrumento de 6 cordas tensionadas ao longo dele, elas passam sobre um braço, permitindo ao executante controlar a altura da nota produzida. Utilizam captadores e amplificadores para aumentar a intensidade sonora do instrumento. Diferente de outras partes do mundo, no Brasil, o termo “guitarra” refere-se exclusivamente à guitarra elétrica e a palavra “violão” é usada para se referir à guitarra acústica.

Inicialmente a eletrificação consistia em usar o próprio instrumento acústico com um microfone de voz dentro de sua caixa de ressonância. Mais tarde esse microfone foi substituído pelo microfone de contato chamado captador ou, em inglês pickup.
As primeiras guitarras maciças (Fender Stratocaster e Gibson Les Paul) surgiram nas décadas de 1950 e 60. As cordas passaram a ser metálicas e captadores magnéticos de indução começaram a ser utilizados.


Estrutura da guitarra

1. Mão ou paleta ou headstock
2. Pestana
3. Tarrachas ou cravelhas
4. Trastes
5. Tirante ou Tensor
6. Marcação
7. Braço
8. Tróculo (Junta do braço)
9. Corpo
10. Captadores
11. Potenciometros
12. Cavalete (ou ponte)
13. Protetor de tampo (ou escudo)
14. Fundo
15. Tampo
16. Lateral ou faixas
17. Abertura ou boca
18. Cordas
19. Rastilho
20. Escala

As guitarras têm dois modelos básicos: maciça e semi-acústica.
Guitarras maciças: não possuem caixa de propagação acústica, seu som natural é pouco intenso e consegue ter mais sustentabilidade na nota.
Guitarras semi-acústicas: possuem caixa de propagação acústica, seu tamanho é relativamente maior que as maciças e seu som natural também é mais intenso.

Captadores magnéticos
Utilizado na maioria das guitarras atuais tem função de transformar as ondas sonoras produzidas pelas cordas, em ondas elétricas. Há uma grande variedade de captadores no mercado, eles são classificados pelas suas características técnicas.

Captadores passivos
Não necessitam de alimentação elétrica para funcionarem. Apresentam grande integração com os demais materiais da guitarra. Enorme variedade de timbres e qualidades. Em maioria são de alta impedância e captam interferências diversas com facilidade.
Os captadores são na verdade uma bobina, ou seja, consistem de magnetos enrolados por um fio (coil) criando assim o campo magnético que é perturbado pelas cordas de metal ao vibrarem em freqüências diferentes, tal perturbação no campo magnético gera o impulso elétrico que mais tarde é convertido em som (onda mecânica).

Captadores ativos

Necessitam de alimentação para funcionarem. Integração reduzida com os materiais da guitarra. Sons uniformes, previsíveis e pequena variedade de timbres. Captam menor interferência por terem menor impedância.

Captadores cerâmicos
São feitos com material mais barato e são mais comuns no mercado.

Captadores de AlNiCo
São feitos com matérias mais caros e selecionados, sua qualidade normalmente é superior aos cerâmicos. Os imãs dos núcleos são feitos de uma liga de Alumínio, Níquel e Cobalto. Existem vários tipos de AlNiCo dependendo da percentagem dos componentes em sua mistura. O mais comum em captadores são os AlNiCo II e o V. Magnetos compostos de alnico tendem a soar mais vintage. São também comumente mais caros devido à matéria prima.

Captadores simples (single-coils)
São estruturados apenas com uma bobina. São mais sensíveis às interferências que causam ruídos. Em geral, o timbre resultante tende a ser mais limpo, brilhante, estalado e estridente em comparação com os humbuckers. Um exemplo do uso de captadores single é o timbre das guitarras Fender.

Captadores duplos (humbuckings ou humbuckers)
São estruturados com duas bobinas em um só corpo. Normalmente as duas bobinas funcionam em polaridades inversas. Assim cada uma elimina parte do nível de ruído da outra. Essa interação também altera a resposta tonal do captador, o que lhe confere um som diferente daquele produzido por um captador single-coil. Em geral, o timbre resultante tende a ser mais cheio, vigoroso, macio e adocicado em comparação com os single-coils. Um exemplo do uso de captadores duplos é o timbre imortalizado pelas guitarras Gibson Les Paul.
Alguns captadores duplos apresentam a mesma aparência externa tradicional dos captadores simples, pois possuem as duas bobinas empilhadas, a exemplo dos modelos HS-2 e HS-3 da Dimarzio e a série Noiseless da Fender.

Captadores quad-rail
São estruturados com quatro bobinas em um só corpo.

Algumas Técnicas

 
Alavancada é uma técnica muito utilizada por guitarristas como Van Halen, Kirk Hammet (Metallica), Bruce Kulick (Kiss) e muitos outros. Ela consiste em pegar a alavanca e “apertá-la” contra a guitarra para fazer vibratos, cuja nota fica tremendo, efeitos conseguidos também com vários bend rápidos. Há também a alavancada com pontes tipo floyd rose, onde pode-se alavancar pra tras (lado contrário às cordas) dando efeito de grito, é equivalente a um bend.

Bend é uma técnica utilizada na guitarra na qual você levanta ou abaixa a corda do instrumento para chegar em outra nota. Ao se curvar a corda, a nota que era tocada tem sua afinação mudada, elevada a uma nota mais aguda.

Diving bomb é uma técnica de uso de alavanca em guitarra elétrica. Muito utilizada por instrumentistas como Joe Satriani, Dimebag Darrel, Steve Vai entre outros. Esta técnica consiste no uso de harmônicos naturais ou artificiais, seguidos da alavancada inicialmente para cima (esticando a corda) e rapidamente aplicada para baixo(afrouxando a corda). Desta forma, o som produzido é semelhante ao efeito doppler escutado na queda de um obus. A técnica foi difundida por Jimmy Hendrix na célebre execução de Star Spangled Banner em Woodstock, onde o guitarrista fazia, através de seu instrumento, uma alusão à Guerra do Vietnã.

Harmónico artificial é uma técnica utilizada em Guitarras Eléctricas, que é feita com o auxílio de uma palheta. Consiste em segurar uma nota qualquer no braço da guitarra e tocá-la junto com a parte lateral do dedão abafando de formal suave o som da nota. A nota deve ser tocada com a palheta e logo depois, o dedo deve raspar a corda lateralmente para que haja o que chamamos de “grito”. O Harmónico Artificial está relacionado à distorção utilizada: se houver uma distorção pesada (ou bastante drive), o harmónico ira soar melhor.

Palm mute ou abafamento é uma técnica de guitarra usada para destruir o som das cordas tocadas.

Shred é o termo utilizado para o estilo de tocar guitarra dando ênfase à velocidade e técnica. Consiste, principalmente, no uso constante das técnicas de fast picking, legatos (hammer on/pull off), sweep picking e tapping. São usadas com o objetivo de aumentar a velocidade ao limite e tocar figuras como Semicolcheia, fusas ou até semifusas, em tempos rápidos, de 150 até mais de 240bpm. Podem ser usadas como simples exibicionismo técnico (muitas vezes por influência do violinista italiano do período romântico Niccolò Paganini) ou para adicionar partes energéticas e fortes à música.

Slide guitar, ou Bottleneck guitar, é uma forma de tocar guitarra, em que se utiliza, actualmente, um pequeno tubo ôco (Bottleneck), de metal (originalmente o gargalo de uma garrafa), para alterar o tom em que se toca, deslizando esse tubo pelas cordas da guitarra.

Sweep picking, Sweeping ou somente Sweep é uma técnica usada na guitarra em que a palheta move-se como uma vassoura (do inglês sweep=”varrer”); isto, combinado com o movimento correspondente da mão esquerda (ou mão dos trastes) produzindo uma série de notas de sonoridade rápida e fluida. É necessário total sincronismo entre as duas mãos para se obter o efeito de forma fluente.

Tapping consiste em utilizar uma ou as duas mãos para “martelar” (tap) notas na escala, ligando-as, adquirindo assim efeito de grande velocidade. O guitarrista Eddie Van Halen foi o responsável por popularizar essa técnica.

Fonte: Wikipédia

Comentários

comments

Sobre o Autor

Bruno Francesco

Formado em Publicidade, MBA em Marketing Digital e Músico. Mantém as duas carreiras: publicitário e cantor.

Visit Website

6 Comments

  1. Eu também gosto de guitarra. Aí, Bruno, você bem que poderia postar alguma coisa sobre violinos e violoncelos – principalmente os Stradivarius.

  2. Fantástico. Se tem uma coisa da qual me frustro é de não ter aprendido a tocar, ao menos, violão. Tentei, mas falta de tempo e real dedicação fod*** com tudo.

    Parabéns pela verdadeira aula sobre guitarra. Curti pacas e favoritei o post. Um dia ainda ganho vergonha na cara e aprendo a tocar algum instrumento de corda.

    Valeu. Espero uma visita lá no Vitrinedasideias.com.

  3. Guittar é foda, mas pra mim que não sou tão inteligente assim nao sei tirar uma nota dessa porra! Por isso toco baixo acho melhor!

  4. Sério,muito legal seu blog…Tipo bem prestativo saber mais da guiitarra e você ainda colocou videos e talz…Bem legal!!! *.*

    Bjs

  5. muito boa a materia bem completa
    para qm gosta do assunto eh uma otima vir olhar aki
    😀

  6. MATÉRIA COMPLETA DE GUITARRA E COM VÍDEOS, UMA REVOLUÇÃO EM BLOGS DO GÊNERO!

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*